LANÇAMENTOS

DVD & Bluray de Homem-Aranha: De Volta ao Lar

Lançamento 25 de outubro
LANÇAMENTOS

Marvel Spider-Man

Data: todos os sábados
Horário: 09:00
Canal: Disney XD

Crítica Retrô | Homem-Aranha (2002)

Depois de exatos 15 anos de sua estreia, o primeiro filme do Homem-Aranha ainda é um dos melhores desta geração, tendo filmes da Marvel Studios, filmes dos X-Men, o ‘Homem-Aranha’ dirigido por Sam Raimi é um dos melhores filmes de heróis já feitos desta e da antiga geração. Mas vamos voltar para este momento, agir como se este filme tivesse estreado no dia de hoje, qual seria o veredito?

No ano de 2002, Tínhamos X-Men: O Filme, dirigido por Bryan Singer, Blade, dirigido por Stephen Norrington, ambos eram distantes do mundo “quadrinesco”, próximos a face do mundo real. Homem-Aranha foi o destaque da geração, o filho colorido da Marvel daqueles dias, vermelho e azul, a face de um futuro. A produção de um filme do Homem-Aranha veio até as mãos de James Cameron, que conhecemos de Avatar.

Resultado de imagem para spider man 1

O que mais atraiu os fãs da época? Uma fidelidade tremenda para a representação do personagem, sendo picado pela aranha radioativa, tendo sua Tia May e seu Tio Ben, um interesse romântico de destaque, um vilão que faça seu papel, sendo ameaçador. E nisso, ‘Homem-Aranha’ cumpre as expectativas e atrai novos fãs ao personagem.

Começando em 2000, a época Ultimate da Marvel teve destaque neste filme, apresentando Mary Jane (que durante a fase Ultimate, era o par romântico de Peter Parker), interpretada por Kirsten Dunst, que era um nome de destaque na época, devido ao seu sucesso em ‘Teenagers – As Apimentadas’ e tendo Tobey Maguire, famoso na época por ‘A Vida em Preto E Branco’, interpretando Peter Parker, o Homem-Aranha.

Destaque para os dois atores, que trazem fortes emoções aos personagens, tendo poucos erros de atuação e problemas, diferentes das continuações, onde os atores erram muito nas emoções e na atuação. Um Peter Parker nerd, magrelo e na escola, que não faz sentido, visto que Tobey possuía exatos 27 anos, não se parecia nada com um jovem da época.

O problema real nos personagens, é em Kirsten, que interpreta a famosa donzela em perigo, tendo importância mais na vida do herói do que na do personagem, se distanciando demais da Mary Jane dos quadrinhos.

Resultado de imagem para spider man 1 green goblin

Willem Dafoe é o destaque, o melhor ator que as franquias do Homem-Aranha já tiveram. O Ator interpreta Norman Osborn, o vilão Duende Verde. Sendo sua primeira aparição no universo do personagem, visto que em O Espetacular Homem-Aranha 2: A Ameaça de Electro, tivemos a apresentação de um “novo” Duende Verde. Willem da vida ao personagem, com seus ataques de raiva e suas faces caricatas, trazendo um uniforme tecnológico e “power ranger”, o que não atrapalha em nada no personagem e no seu desenvolvimento.

A história em si possui um enredo linear, fácil de entender e extremamente bem construída, principalmente em relação aos personagens. Peter e Norman são os que mais evoluem durante o filme, começando bem e terminando bem, o roteiro apenas falha na velocidade, que podia ser um pouco melhor explorada em um filme de duas horas e meia, visto que a duração oficial do filme é de 2 horas e 1 minuto, o filme mais curto da franquia do Homem-Aranha.

A direção de Raimi é um destaque, pelo seus focos de imagem em momentos de câmera lenta (pega essa Zack Snyder), conceitos principais do Aranha, suas balançadas por nova York são bem demonstradas, a filmagem principal é impecável e bem feita, que só evoluiu através das sequências.

A trilha sonora é destaque principal, até mesmo nas músicas de Chad Kroeger e de Sum 41, a classificação é livre, o filme é praticamente uma história em quadrinhos vindo a vida, apenas com poucos erros.

Um filme do Homem-Aranha que apresenta tudo que um filme do Homem-Aranha precisa! Tendo um espirito heroico e uma diversão do começo ao fim. ‘Homem-Aranha’ consegue ser um dos melhores filmes de super herói, até para os anos de hoje.

(4 aranhas gordinhas e meio)

DEIXE SEU COMENTÁRIO

  • Adrian Freitas

    esperando a crítica do segundo filme, o melhor da trilogia